Aprendendo a utilizar o VirtualBox para laboratórios de estudo

Fala galera! Esse artigo faz parte de mais uma ação orquestrada do grupo MTI (Mixed Technology Influencers) para o mês de Maio, onde foi escolhido como tema principal – Virtualização.

Vou ensinar de maneira simples e fácil a utilização do VirtualBox para criação de laboratórios de estudo, lembrando também que o mesmo pode ser utilizado como ambiente de homologação para testes de novas funcionalidades e recursos.

VirtualBox é um software de virtualização desenvolvido pela empresa Innotek depois comprado pela Sun Microsystems que posteriormente foi comprada pela Oracle que, como o VMware Workstation, visa criar ambientes para instalação de sistemas distintos. Ele permite a instalação e utilização de um sistema operacional dentro de outro, assim como seus respectivos softwares, como dois ou mais computadores independentes, mas compartilhando fisicamente o mesmo hardware.

Para iniciarmos, vamos realizar o download do VirtualBox acessando o link abaixo:

https://www.virtualbox.org/wiki/Downloads

Vale lembrar, que há versões para todos os sistemas operacionais (Windows, Linux, OS X, Solaris…). Iremos utilizar a versão para Windows, conforme figura 1.

 

img-vb-01

Figura 1: Página de download do VirtualBox.

 

Feito o download, vamos realizar a instalação de maneira bem simples. Basta fazer o famoso next, next, next e finish rsrs… 🙂

Ao término, o VirtualBox já está pronto. Para o laboratório de demonstração, vou criar duas máquinas virtuais – uma com Windows Server 2012 R2 e outra com Windows Server 2008 R2.

Agora vamos criar a primeira máquina virtual, clicando em Novo, defina o nome da máquina virtual para Windows Server 2008 R2 e clique em próximo. (Figura 2)

 

img-vb-02

Figura 2: Criando a máquina virtual.

 

Iremos definir a quantidade de memória em 1024 MB, digite o valor na caixa correspondente ou arraste e clique em próximo. (Figura 3)

 

img-vb-03

Figura 3: Definindo a quantidade de memória

 

Agora vamos criar um novo disco. Deixe selecionado a opção Criar um novo disco virtual agora. (Figura 4)

 

img-vb-04

Figura 4: Criando um novo disco virtual.

 

Mude para a opção VHD (Virtual Hard Disk). Com essa opção selecionada você poderá utilizar o mesmo em qualquer hypervisor (Hyper-V, VMware e etc…). Por fim, clique em próximo. (Figura 5)

 

img-vb-05

Figura 5: Escolhendo o tipo de disco rígido.

 

Escolha a opção Dinamicamente Alocado e prossiga a criação. (Figura 6)

 

img-vb-6

Figura 6: Definindo configurações do disco.

 

Mantenha as opções padrões disponibilizadas e clique em próximo. (Figura 7)

 

img-vb-07

Figura 7: Local e tamanho do disco virtual.

 

Pronto, nosso primeira máquina virtual está criada. (Figura 8)

 

img-vb-08

Figura 8: Máquina virtual criada.

 

Obs: Para que não sejamos repetitivos, não vou demonstrar a criação da outra máquina virtual, basta fazer os mesmos passos citados acima, tudo bem?

 

img-vb-09

Figura 9: Segunda máquina virtual criada.

 

Agora com as duas máquinas virtuais criadas, vamos fazer algumas configurações para que nosso laboratório funcione corretamente. Fazer essas configurações é de extrema importância para que o laboratório funcione corretamente, já que vamos isolar as máquinas virtuais do host onde está instalado o VirtualBox.

Clicando com o botão direito na primeira máquina virtual, vamos escolher a opção Configurações, onde abrirá a tela abaixo. (Figura 10)

 

img-vb-10

Figura 10: Definindo configurações.

 

Escolheremos a opção Rede – a sexta opção e mudaremos a interface de rede para Rede Interna, onde a mesma tem a função de isolar as máquinas virtuais em um ambiente próprio entre elas. Clique em OK para terminar a configuração. (Figura 11)

 

img-vb-11

Figura 11: Mudando configurações de rede, para rede interna.

 

Faça o mesmo para a outra máquina virtual.

Por fim faça a instalação dos dois sistemas operacionais das respectivas máquinas virtuais e pronto, você já pode realizar seus estudos. Lembrando que podemos criar infinitas máquinas virtuais, apenas não esqueça de verificar a quantidade de memória disponível no seu desktop ou notebook para seu laboratório. Espero que tenham gostado e até a próxima! 🙂

 

 

Sobre o Autor

Analista de infraestrutura em tecnologias Microsoft na Unimed Catanduva. Sou MCP (Microsoft Certified Professional). Formado em tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas no Instituto Federal de São Paulo. Amplo conhecimento em tecnologias de virtualização — Hyper-V e VMware — e sistemas de gerenciamento de backup. Apaixonado por heavy metal, principalmente Iron Maiden! \o/